quarta-feira, 23 de junho de 2010

Como colaborar com o nosso Blog?

Como colaborar com o nosso Blog?
.
Artigos, experiências e sugestões:
envie no nosso endereço e-mail: proj.amazonia.focolare@gmail.com
Comentários:
faça-os diretamente no texto com o link "comentários" no final da postagem.
Fotos:
envie as suas para o nosso e-mail, brevemente um novo Flickr para colocarmos as fotos em Albúns!! (aguarde)
.
Muito obrigado pela sua colaboração!
.
A equipe de coordenação

Destinações do Projeto Amazônia 2010


As destinações deste ano: Abaetetuba - PA, Boa Vista -RR, Bragança - PA, Maués - AM.

Conheça as destinações deste ano! (4)

Maués(Amazonas)
Maués é uma das cidades mais belas do Amazonas, conhecida como "Terra do Guaraná", planta que produz bebida muito apreciada pela população local e que deu origem ao refrigerante brasileiro, mundialmente famoso, o guaraná, comercializado por grandes indústrias de bebidas.

Os índios mundurucus e maués cultivavam o guaraná na região de Maués, a quem conferiam poderes medicinais e afrodisíacos, sendo ainda hoje, e até pela valorização nacional, o produto agrícola mais cultivado na regiao do município.
O nome Maués tem origem da língua tupí:, adjetivo traduzido por curioso, inteligente, abelhudo; Maué ou Maue é o nome usado para designar a nação indígena que habitava a região e se traduz por "Papagaio Curioso e Inteligente";

Maués, cidade dos papagaios inteligentes. O município é a 5ª Zona Eleitoral do Estado do Amazonas e uma das comarcas mais antigas do Estado, atualmente com duas Varas Judiciais.


GEOGRAFIA
Possui 39.675 Km², com aproximadamente 36.420 habitantes, e está localizada a 267 quilômetros de Manaus, possuindo também as praias mais famosas do estado.

Situa-se na 8ª Região do Estado do Amazonas -
Médio Amazonas - na área leste do estado, entre os rios Madeira e Tapajós.

A sede do município está localizada numa área de terra firme, banhada pelas águas do rio Maués-Açu.

ÁREA TERRITORIAL

Possui 39.675 Km², correspondente a 2,54% da área total do Estado.

POPULAÇÃO:

Possui aproximadamente 36.420 habitantes (1997), distribuídos entre a sede e 127 comunidades organizadas, localizadas em áreas próximas a rios, lagos e paranás.

LIMITE :

Ao norte, com os municípios de Boa Vista do Ramos, Barreirinha e Itacoatiara. Ao sul, com o município de Apuí. A leste, com o Estado do Pará. A oeste, com os municípios de Borba e Nova Olinda do Norte.

TEMPERATURA:

Média máxima 33,96°C Média mínima 25,21°C Média 28,77°C

CLIMA:

O clima característico da região é do tipo AM da amazônia e subtipo AN de transição, quente e úmido. As chuvas são regulares e abundantes no município, ocorrendo com mais frequência no período de janeiro a julho e com baixas precipitações de agosto a dezembro, época de verão na região.

ACESSO À CIDADE :
À Maués só se
chega de avião ou barco.

As linhas aéreas que atendem são: RICO - Fones (092) 3542 2109 (092) 3542 2109 TABA - Fones (092)3542 1
918 (092)3542 1918 TAVAJ (092) Fones 3542 1074

As embarcações que fazem a linha Maués-Manaus são:

DIA Maués-Manaus Manaus-Maués

Domingo: Bom Socorro São Tomé
2º feira Calipson Rainha Elizabeth
3 feira: São Tomé Cidade de Terezina
4 feira 14 de Outubro Bom Socorro
5 feira Rainha Elizabeth São Tomé
6 feira Cidade de Terezina Calipson
Sábado São Tomé 14 de Outubro

VIII – DADOS RÁPIDOS

População 42.976

Eventos: Festa do Divino Espírito Santo (31.05 à 08.06);
Aniversário do Município de Maués (25 de junho)
Festival Folclórico da Ilha de Vera Cruz (11 à 13 de julho)
Festival de Verão de Maués (04 à 06 de setembro)
Festa do Guaraná (27 à 29 de novembro).

MAPA SATÉLITE:

http://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&q=Maues&um=1&ie=UTF-8&hq=&hnear=Mau%C3%A9s+-+AM&gl=br&ei=LTIiTMq7H4aglAfKlJFJ&sa=X&oi=geocode_result&ct=title&resnum=1&ved=0CB0Q8gEwAA


Fontes:http://portalamazonia.globo.com/pscript/amazoniadeaaz/artigoAZ.php?idAz=181

terça-feira, 22 de junho de 2010

Conheça as destinações deste ano! (3)


BRAGANÇA (PARÁ)

Bragança é um município brasileiro do estado do Pará. Localiza-se a 220km de Belém, estando a uma altitude de 19 metros. Sua população estimada em 2009 era de 107.060 habitantes
Município de Bragança

Mesorregião: Nordeste Paraense IBGE/2008
Microrregião: Bragantina IBGE/2008
Região metropolitana - Municípios limítrofes: Tracuateua e Augusto Corrêia

CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS
Área: 2.090,234 km²
População: 107.060 hab. est. IBGE/2009
Densidade: 49,6 hab./km²
Altitude: 19 m
Clima: Quente-úmido
Fuso horário: UTC-3

INDICADORES
IDH: 0,702 médio PNUD/2000
PIB: R$ 250.350 mil IBGE/2005
PIB per capita
R$ 2.273,00 IBGE/2005

HISTÓRIA
Sua localização, à margem do rio Caeté, foi o que lhe rendeu o apelido carinhoso de "Pérola do Caeté". A cidade é uma das mais antigas do Estado. São quase 380 anos de história.
História que começou no século 17, mais precisamente em 1622, quando o território de Bragança pertencia à Capitania do Gurupi. A área foi doada por Felipe III, da Espanha, a Gaspar de Souza, Governador Geral do Brasil. Anos depois, em 1634, o filho de Gaspar de Sousa, Álvaro de Souza, fundou ali, à margem direita do rio Caeté, o que seria o primeiro povoado de Bragança.
Contudo, devido às dificuldades de comunicação com Belém, o núcleo habitacional foi transferido para o lado esquerdo do rio, onde, atualmente, está localizada a sede municipal de Bragança, que só tornou-se verdadeiramente cidade em 1854 por decreto do então presidente da Província, tenente-coronel Sebastião do Rego Barros.
Em um passeio pelas ruas da cidade é possível conhecer um pouco de sua história, marcada pela colonização portuguesa e retratada nos prédios históricos do município. Um dos mais importantes é o da Igreja de São Benedito, do século XVIII. Também vale conhecer a igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, a mais antiga da cidade, erguida também no século XVIII.
Tem ainda o Instituto de Santa Terezinha, tradicional educandário da região. E, fora da sede municipal, em uma ilha, em frente ao litoral de Bragança, há o histórico Forte do Caeté, construído em 1614 pelos portugueses. Além da história, Bragança guarda ainda outros atrativos aos turistas.

CULTURA
A cultura é um dos mais fortes deles.
Católicos por tradição, os bragantinos realizam ao longo do ano suas festas religiosas. Dentre as festividades destacam-se a de São Sebastião, comemorada no dia 20 de janeiro, e o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, que acontece no mês de novembro com ladainhas, procissões e até arraial.
Porém, a mais forte expressão cultural e religiosa de Bragança está na festa de São Benedito, uma das mais tradicionais e antigas do Pará, introduzida pelos escravos em 1798 e que também é conhecida como a Festa da Marujada.
A beleza natural é outro ponto forte do município, que possui uma das mais belas praias da costa atlântica paraense: a praia de Ajuruteua. A 30 minutos de carro da cidade, a praia é um lugar paradisíaco que guarda ainda ares primitivos.
Além dela, existem os manguezais, rios, igarapés e ilhas, como a de Canela, um santuário ecológico que possui o maior ninhal de guarás do mundo. Com um cenário natural privilegiado, Bragança é, sem dúvida, uma das mais belas cidades do Pará



ECONOMIA
A cidade de Bragança é o maior polo pesqueiro do Estado do Pará, exportando sua produção principalmente para as capitais do Nordeste e para o próprio estado do Pará, também se nota uma grande Atividade Pecuária, Agricultura e um extrativismo formado pela extração de caranguejos.































Conheça as destinações deste ano! (2)

Boa Vista (Roraima)

Boa Vista é a capital e o município mais populoso do estado brasileiro de Roraima. Concentrando aproximadamente dois terços dos roraimenses, situa-se na margem direita do Rio Branco. É a única capital brasileira localizada totalmente ao norte da linha do Equador.
Moderna, a cidade destaca-se entre as capitais da Amazônia pelo traçado urbano organizado de forma radial, planejado no período entre 1944 e 1946 pelo engenheiro civil Darcy Aleixo Derenusson, lembrando um leque, em alusão às ruas de Paris, na França. Foi construído no governo do capitão Ene Garcez, o primeiro governador do então Território Federal do Rio Branco. As principais avenidas do Centro da cidade convergem para a Praça do Centro Cívico Joaquim Nabuco, onde se concentram as sedes dos três poderes — Legislativo, Judiciário e Executivo. Além de pontos culturais (teatros e palácios), hotéis, bancos, correios e catedrais religiosas.




CARACTERISTICAS GEOGRÁFICAS
Área: 5 687 km²
População: 266 901 hab. est. IBGE/2009
Densidade: 45,9 hab./km²
Altitude: 85 m
Clima: tropical
Fuso horário: UTC-4

INDICADORES
IDH: 0,779 médio PNUD/2000
PIB: R$ 3.036.017 mil IBGE/2007
PIB per capita: R$ 12 151,00 IBGE/2007


HISTÓRIA

O município de Boa Vista foi criado em 9 de julho de 1890 com o nome de Boa Vista de Rio Branco. Seu criador foi o Governador do Estado do Amazonas, Augusto Villeroy. O primeiro prefeito de Boa Vista foi o Senhor João Capistrano da Silva Mota, conhecido como Corenel Mota. Com a nomeação do Prefeito, foram nomeados, também, os dois primeiros vereadores: José Francisco Coelho e José Gonzaga de Souza Junior.
A imigração em massa para Boa Vista começou em 1980, com a descoberta do garimpo. Em 1950 a população era de 5.132 habitantes. Segundo o IBGE, esse número hoje chega a 266.901 habitantes.

CLIMA

Boa Vista é quente e úmido, com apenas duas estções climáticas bem definidas, inverno(estação das chuvas) e verão(estação da seca).
A temperatura varia de 21°C a 36,6°C, sendo as mais baixas em janeiro e mais altas em julho, dada sua localização no hemisfério norte. Sua temperatura média é de cerca de 28,1°C anuais, sendo de 75% sua média da umidade relativa do ar.


LOCALIZAÇÃO

Boa Vista situa-se na porção centro-oriental do estado, na microrregião de Boa Vista, mesorregião do Norte de Roraima.
Com uma área de 5.117,9 km² (que corresponde a 2,54% do estado), limita-se com Pacaraima a norte, Normandia a nordeste, Bonfim a leste, Cantá a sudeste, Mucajaí a sudoeste, Alto Alegre a oeste e Amajari a noroeste. São áreas indígenas 1.447,35 Km² do município (o que corresponde à 25,33% do território total).Boa Vista está a 1 hora a menos em relação ao horário de Brasília.




ECONOMIA

Concentra-se principalmente nas avenidas Jaime Brasil, Ville Roy e Ataíde Teive e no Shopping Boa Vista. Boa Vista guarda traços de cidades pequenas, a mais importante área comercial situa-se no Centro da cidade atendendo a toda ela, diferentemente do que ocorre nos grandes centros urbanos, locais no qual existem geralmente um pólo comercial para cada bairro.
As indústrias — especialmente de sabão, refrigerantes e arroz — situam-se basicamente no Distrito Industrial Governador Aquilino Mota Durte.

TRANSPORTES
O Aeroporto Internacional de Boa Vista - Atlas Brasil é utilizado pelas companhias aéreas TAM e Gol, com voôs domésticos diários para Manaus e pela META, com voos internacionais para Georgetown, capital da Guiana e Paramaribo, capital do Suriname.

A Rodoviária Internacional José Amador de Oliveira - Baton liga a cidade à outras do interior de Roraima, ao Amazonas, à Guiana e à Venezuela. Atuam no trecho as empresas Amatur e Eucatur.
No campo rodoviário, Boa Vista, conta com um moderno terminal rodoviário(Rodoviária Internacional de Boa Vista) que interliga Boa Vista a Manaus, com todas as cidades e vilas do interior do Estado, bem como com Puerto Ordaz, Caribe, Puerto La Cruz e demais cidades venezuelanas
As três rodovias que cruzam Boa Vista são:
BR-401 - Ligando Boa Vista ao município de Bonfim, até a fronteira com a Guiana
BR-174 - Desde Manaus ao município de Pacaraima, até a fronteira com a Venezuela
RR-205 - Ligando Boa Vista ao município de Alto Alegre
Apesar da ligação histórica da cidade de Boa Vista com o rio Branco, atualmente a cidade não conta com um porto fluvial.

MIDIA
Na área das comunicações, Boa Vista, dispõe de modernos equipamentos convecionais de telefone, incluindo-se o celular, 7 canais de televisão, 3 rádios difusoras, 3 jornais diários e serviços da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. Fonte: FREITAS, Luiz Aimberê Soares de - Estudos Sociais de Roraima (Geografia e História)












Fontes:










http://pt.wikipedia.org/wiki/Boa_Vista_(Roraima)
http://portalamazonia.globo.com/pscript/amazoniadeaaz/artigoAZ.php?idAz=227

Conheça as destinações deste ano! (1)

ABAETETUBA (PARÁ)






Unidade federativa: Pará
Mesorregião: Nordeste Paraense IBGE/2008
Microrregião: Cametá IBGE/2008
Municípios limítrofes : Barcarena, Igarapé-Miri e Moju
Distância até a capital : 62 quilômetros(rodo-fluvial), 97km (rodoviário)




Caracteristicas Geográficas:

Área: 1.610,743 km²
População: 139.819 hab. est. IBGE/2009
Densidade: 82,8 hab./km²
Altitude: 42 m
Clima: Tropical
Fuso horário: UTC-3

Indicadores:
IDH:0,706 médio PNUD/2000
PIB: R$ 371.658 mil IBGE/2006
PIB per capita
R$ 2.410,00 IBGE/2006

História



Origem do município de Abaetetuba está relacionada com a história de Abaetetuba e Beja, que, a princípio, constituíam Vilas distintas e, posteriormente, foram incorporadas e passaram a pertencer ao mesmo município.Os frades capuchos de Santo Antônio, após fundarem o Convento do Una, em Belém, em 1617, passaram a percorrer as terras onde habitavam os índios remanescentes da tribo Mortiguar. Nesse território construíram uma aldeia com caráter de missão religiosa.O então governador Francisco Xavier de Mendonça Furtado nomeou a nova aldeia de Samaúma. Tempos depois, a aldeia de Samaúma foi instalada como Freguesia, com o nome de São Miguel de Beja.Os frades capuchos ali permaneceram até 1653, sendo substituídos pelos padres jesuítas, inicialmente através do padre alemão Aluízio Conrado Pfeil, que já catequizava a tribo dos índios abaetés. Com a sua partida, substituiu-lhe o padre Antônio Ekel, que deu início à construção de um templo, concluído somente dois séculos depois, já em 1883, pelo padre Francisco Manoel Pimentel.Outro jesuíta de renome que por lá andou foi o padre João Felipe Bettendorf, autor da obra intitulada História, que serve de base para o estudo do passado colonial do Estado do Pará.
Geografia
Localiza-se a uma latitude 01º43'05" sul e a uma longitude 48º52'57" oeste, estando a uma altitude de 10 metros.


Economia
Cidade pólo de uma região que abrange os municípios de Moju, Igarapé-Miri e Barcarena (somando uma população de mais de 350 mil habitantes), Abaetetuba é a sexta maior cidade do estado e atualmente passa por um momento de crescimento econômico acelerado devido a excelente logística que a cidade proporciona, com fácil acesso aos Portos de Belém, Vila do Conde e ao sul do Pará, além da proximidade do Pólo Industrial na Vila dos Cabanos que fica a 30 km. Diversas empresas estão se instalando no município aproveitando também a grande rede de serviços da cidade, fato refletido no PIB municipal, que triplicou em quatro anos.
A atividade econômica predominante no município é o terceiro setor (comércio e serviços), que conta com uma ampla rede de estabelecimentos das mais diversas atividades.
Industria
A atividade industrial tem menor participação na economia abaetetubense, porém vem apresentando grande crescimento nos últimos anos, sobretudo nos ramos alimentício e de beneficiamento de produtos agro-florestais. De um modo geral as indústrias da cidade são de médio e pequeno portes, e distibuem-se principalmente nos ramos de bebidas, moveleiro, madeireiro, e oleiro-cerâmico. A cidade conta também com metalúrgicas e estaleiros, estes famosos pela primorosa carpintaria naval.
Agricultura
Abaetetuba é um daqueles típicos municípios em que sua produção de hortaliças atende perfeitamentea à sua demanda, através da significativa produção das hortas familiares, sobretudo na localidade Colônia Nova, km 07 da rodovia PA-151. Mas no setor Agro-florestal,o município destaca-se como o 2º maior produtor de açaí do Pará, como 3º maior produtor de bacuri e cupuaçu, e como o maior produtor de manga do estado. Outras culturas também marcam fortemente a cadeia vegetal abaetetubense, como mandioca, coco, miriti e bacaba, que apresentam grande produção.
Cultura
Os habitantes do município, tanto os da cidade como os do “centro” e das ilhas, estão apaixonados pela sua terra e seus rios. Além do "bairrismo", o que salta aos olhos de quem a visita pela primeira vez é o amor pela cultura herdada de seus pais. Espalhados pelo mundo afora, os “filhos de Abaeté” vivem com saudade de sua terra e estão sempre prontos para falar das maravilhas do seu torrão natal. Suas recordações sobre a "terra maratauíra" são autênticas declarações de amor. Abaetetuba oferece algumas coisas dignas de serem visitadas e admiradas. Muitas se perderam no passado; outras são recuperadas pela persistência dos muitos apaixonados, que as trazem de volta. É o caso dos “engenhos da cachaça” que tornam a cachaça de Abaetetuba renomada e imortalizada nos versos do grande Ruy Barata, ao cantar " só lembrar da mardita me lembrei de Abaeté...". Outro acervo folclórico, que só existe na recordação dos mais velhos, é bem representado pelos "fofoi" e "fofia". A partir de 2005, há um movimento de resgate e valorização de outras expressões culturais e folclóricas, como a “Tiração de Reis”, no dia dos Santos Reis (6 de janeiro), as “Pastorinhas” do período de Natal; as noites de Carnaval; as Festas Juninas celebradas de maneira popular nas ruas e nos bairros e de forma organizada com as inúmeras “Quadrinhas Juninas”.


Miritifest
No ano de 2004, o Governo Municipal apoiou a criação do Festival do Miriti (MIRITIFEST), que chegou a sua 5ª edição (2008). O evento destaca o Artesanato de Miriti e apresenta peças de excelente nível artístico criadas e apresentadas pelos numerosos artesãos locais, além da exposição de produtos e serviços de empresas locais e de outros municípios. A cada ano aumenta a participação da população e dos visitantes, que formam um numeroso público local e de visitantes vindos de municípios como Moju, Igarapé-Miri, Mocajuba, Barcarena, e Belém, atraídos pela extensa programação cultural que inclui apresentações artísticas e shows de bandas regionais. O MIRITIFEST tornou-se em pouco tempo a maior manifestação cultural do Baixo Tocantins.
O V MIRITIFEST (2008) realizou-se no novo Complexo Poli-esportivo e Cultural 'Hildo Carvalho', que - ainda antes de sua inauguração oficial - se revelou um excelente espaço para eventos culturais, esportivos, recreativos e religiosos.
A Fundação Cultural Abaetetubense (FCA), a partir do ano de 2005, recuperou também a tradição natalina da 'Tiração de Reis'.
Mapa Satelite:
Fontes: Portal da Amazônia, Wikipedia.